ERAS | Revista Europeia de Estudos Artísticos https://eras.mundis.pt/index.php/eras <p><img src="https://eras.mundis.pt/public/site/images/ojsadmin/eras-rev-1290af9735d841427c74a7b043a162cb.png" alt="" width="285" height="375" /></p> pt-PT geral@mundis.pt (Levi Leonido) geral@mundis.pt (Carminda Carvalho) Fri, 18 Mar 2022 19:25:27 +0000 OJS 3.3.0.10 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 GRACIELA GONZÁLEZ: BODILY EXPERIENCE AND GENERATIONAL CHANGE IN TRADITIONAL TANGO https://eras.mundis.pt/index.php/eras/article/view/9 <p><span class="fontstyle0">The study of body gestures and the participatory construction of the movements of the ‘old’ argentine milongueros is hampered by the fact that their protagonists are no longer alive. This work investigates both themes in an indirect way, conducting a semi-directed interview with the relevant teacher and dancer Graciela González, who since the 80's had as master and was dance partner of Norberto 'Pupi' Castello, one of the myths of the milonga 'porteña'. González describes some of the lesser known gestural and intentional characteristics of these ‘old’ milongueros, and explains how some of these characteristics have been softened as a result of generational changes and the speed of communications brought about by social media.</span></p> Alejandro Grosso Laguna Direitos de Autor (c) 2022 ERAS | Revista Europeia de Estudos Artísticos https://eras.mundis.pt/index.php/eras/article/view/9 Wed, 30 Jun 2021 00:00:00 +0000 ABOUT THE EARTH AS AN EVENT: geophilosophy and aesthetics in the art of Romy Castro https://eras.mundis.pt/index.php/eras/article/view/8 <p><span class="fontstyle0">Pretende-se com este artigo fazer uma análise às obras de arte de Romy Castro iniciadas em 2012 e intituladas «A Terra como acontecimento». Se no momento da criação da série, «Memórias da<br />terra negra» se adivinhavam já alguns traços sobre o potencial uso das matérias pictóricas que viriam a gerar as futuras obras, é no final de 2019 que vemos consagrar, senão mesmo sacralizar essa relação primordial entre o homem e a terra, que é afinal o acontecimento, fenómeno que redescobre o visível e o indizível que se dá na Terra. Uma análise que reflecte critica e teoricamente, por um lado, sobre as matérias que a artista usa para a produção das obras de arte e<br />por outro lado, sobre o pensamento da artista, enquanto criadora e ensaísta. Neste sentido, pode ser afirmado que se está na presença de uma geofilosofia que pensa a Terra e que dá a pensar uma outra prática estética que passa pelo olhar e pelo escutar as matérias.</span></p> Paulo Alexandre e Castro Direitos de Autor (c) 2022 ERAS | Revista Europeia de Estudos Artísticos https://eras.mundis.pt/index.php/eras/article/view/8 Wed, 30 Jun 2021 00:00:00 +0000 REFLEXÃO SOBRE A DIDÁTICA COMO FATOR DETERMINANTE NO ENSINO ARTÍSTICO – MÚSICA https://eras.mundis.pt/index.php/eras/article/view/7 <p><span class="fontstyle0">Esta reflexão pretende evidenciar como a Didática pode assumir um papel importante, no que concerne aos aspectos práticos de execução do processo educativo. Pretende-se, ainda, questionar qual o papel do Ensino da Música, qual o seu interesse, qual o fundamento da sua inclusão na formação geral das pessoas, bem como os curricula do Ensino Básico, do Ensino Artístico e Profissional. É preciso confrontar os alunos com os diferentes materiais, no sentido de que os utilizem e que estes lhes possam proporcionar idênticas oportunidades de experimentar, organizar, combinar e comunicar distintas vivências musicais. Os 42 anos quer como docente nos diferentes níveis de ensino, quer como percursor e responsável pedagógico de novas estruturas pedagógicas, como investigador, bem como as vivências e partilhas entre pares, foram cruciais para esta reflexão.</span></p> José António de Matos Esteves das Neves Direitos de Autor (c) 2022 ERAS | Revista Europeia de Estudos Artísticos https://eras.mundis.pt/index.php/eras/article/view/7 Wed, 30 Jun 2021 00:00:00 +0000 A PROPORÇÃO ÁUREA COMO BASE DE SENSO ESTÉTICO EM DESENHOS ARTÍSTICOS https://eras.mundis.pt/index.php/eras/article/view/6 <p><span class="fontstyle0">O presente artigo objetiva-se em promover uma discussão acerca do emprego da proporção áurea como o padrão estético em desenhos artísticos, com vista a perfeição dos quadros desenhados. A razão que está na base da respectiva investigação, está intimamente relacionada com a ideia de que a arte imita a vida e está enraizada nas diferentes sociedades, sendo alvo de apreciação e contemplação desde os tempos remotos até aos dias atuais, neste sentido, a mesma visa responder a seguinte questão da pesquisa: qual é a influência da proporção áurea na conservação do senso estético em desenhos artísticos? Entretanto, para se dar resposta a esta questão bem como alcançar o objetivo determinado, adoptou-se o paradigma qualitativo de natureza descritiva, pois tratou-se de observar, analisar e descrever os procedimentos usados pelos artistas na construção e escolha da figura geométrica inerente aos quadros para desenhos artísticos, com vista a identificação da proporção que garante a harmonia, serenidade e a plenitude da beleza nos respetivos quadros. Os resultados obtidos permitiram concluir que o cérebro humano tende a associar a beleza da arte com a proporção responsável pela harmonia e serenidade, é dizer que mesmo não sendo de forma propositada, os artistas tendem a buscar esta proporção ou uma aproximação nos seus desenhos. Esta investigação pode despertar nos alunos o gosto pelo estudo da Matemática, com particular realce o da Geometria.</span></p> Ezequias Adolfo Domingas Cassela, Amado Leonardo André , Yanileidy Moreira Cabrera Direitos de Autor (c) 2022 ERAS | Revista Europeia de Estudos Artísticos https://eras.mundis.pt/index.php/eras/article/view/6 Wed, 30 Jun 2021 00:00:00 +0000 A LIRA: uma breve revisitação https://eras.mundis.pt/index.php/eras/article/view/5 <p><span class="fontstyle0">A música é considerada a mais antiga forma de comunicação humana e tem a capacidade de evocar significação, imaginação, criatividade e inovação. A lira é um instrumento musical muito antigo e surge associada ao mundo imaginário e mitológico da Grécia Antiga. As suas qualidades elegem-na como um dos instrumentos dos poetas, dos filósofos, dos educadores. Para além ser um veículo de convergência dos planos celestial e humano, a lira é um instrumento educativo, catártico e purificador de almas e simboliza a paz e o silêncio profundo. Revisitar a lira foi das experiências mais sublimes não apenas pelo seu peso simbólico no imaginário ocidental coletivo, mas também pelo oceano de possibilidades que oferece neste mundo contemporâneo tão repleto de vicissitudes e contrariedades e onde a liberdade surge como a busca incessante da realização humana. Revistar e resgatar a lira para fins educativos é o propósito deste nosso artigo.</span></p> Maria Margarida Melo de Carvalho Direitos de Autor (c) 2022 ERAS | Revista Europeia de Estudos Artísticos https://eras.mundis.pt/index.php/eras/article/view/5 Wed, 30 Jun 2021 00:00:00 +0000